Como dar uma palestra


Na ciência, além de gerar idéias e informações novas, também é fundamental que você seja capaz de transmitir esse conhecimento aos seus pares, ou ao público leigo em algumas situações. A principal maneira de fazer isso é através de artigos, livros e apostilas, sejam científicos, de divulgação científica ou didáticos, dependendo do caso. Porém, muitas vezes você precisa divulgar conhecimento de forma oral, através de seminários, aulas, palestras e afins. Por isso, resolvi escrever este artigo, a fim de ajudar meus alunos a se expressarem melhor oralmente. Este guia está divido nos tópicos mais importantes para se fazer uma boa apresentação. Ele serve apenas como um conjunto de dicas básicas, não substituindo o treinamento com um bom orientador e nem a leitura de livros especializados no assunto.

 

Por que apresentar trabalhos também de forma oral?

Se a comunicação escrita é a mais importante entre cientistas, qual é a utilidade de se comunicar também oralmente? Bom, os textos servem como documentos, que oficializam as informações e ajudam a diminuir sua deturpação ao longo do tempo. Afinal de contas, todo conhecimento oral sofre o famoso “efeito telefone sem fio” (deturpação na reprodução, conforme passa de pessoa a pessoa). Mas comunicar idéias oralmente tem também suas vantagens, sendo um bom complemento à comunicação escrita. Quando você está diante de uma platéia, tem a oportunidade de interagir diretamente com ela. Além disso, as pessoas são animais sociais, então informações transmitidas pessoalmente tendem a ter um valor adicional. Esse contato direto em eventos científicos e cursos nos permite estabelecer relações mais fortes com colegas e alunos, estreitando assim laços sociais na comunidade acadêmica e ajudando a criar uma boa reputação.

Quais são as diferenças básicas entre a comunicação escrita e a oral?

A principal diferença se deve ao fato de o autor estar presente no momento da troca de informações. Sendo assim, em uma palestra é possível que o público tire dúvidas imediatamente e que o autor receba o feedback também em tempo real. Porém, na comunicação escrita ambos os lados têm mais tempo de digerir as idéias, o que por outro lado é vantajoso. Outra diferença fundamental é a “durabilidade da mensagem”. Na comunicação escrita, você escreve suas idéias em um documento oficial (livro, artigo, apostila), elas sobrevivem muito além do seu próprio tempo de vida e sua forma original estará sempre disponível para consultas durante um tempo indefinido. Isso não é possível na comunicação oral, a não ser que se grave a palestra em video. Mas assistir ao video depois não tem o mesmo efeito de assistir a uma palestra ao vivo. Em terceiro lugar, você deve lembrar que quando alguém lê um texto, pode fazer pausas quando necessário (cansaço, vontade de ir ao banheiro etc.) e retomá-lo posteriormente. Na apresentação oral o público é seu refém.

O que devo levar em conta ao planejar uma apresentação?

Tendo em mente as diferenças entre as comunicações escrita e oral, pode-se pensar no planejamento de uma apresentação. Você deve considerar os seguintes aspectos principais, comentados em detalhes nas próximas seções.

Tenha uma boa história para contar

Você deve ter todo o capricho com a forma da sua palestra, pois ela é fundamental para passar sua mensagem de forma eficiente. Contudo, não adianta fazer embrulho bonito para presente ruim. Tenha sempre uma boa história para contar. Foque cada palestra em uma única mensagem central clara, objetiva e interessante. Você pode até incluir algumas poucas mensagens secundárias, mas uma boa palestra deve ter um fio condutor claro com uma moral da história ao final. Uma palestra, assim como um artigo, é um argumento. Uma palestra confusa, que dá voltas e voltas sem chegar a lugar algum, ou que trata “da vida, do universo e de tudo mais” invariavelmente se torna chata e perde o público logo nos primeiros minutos.

As pessoas não conseguem se concentrar por muito tempo

É preciso respeitar a capacidade máxima de atenção contínua das pessoas, que gira em torno de 40 min – 60 min, no máximo, evitando assim falarmos por um tempo longo demais (hoje em dia, na “era multitarefa”, esse tempo vem caindo progressivamente). A grande maioria das apresentações científicas, especialmente em congressos, deve girar em torno de 15 min, incluindo perguntas. Aulas e palestras maiores não devem ultrapassar os 50 min. Especialmente se a apresentação acontecer em um congresso, onde a platéia tem que assistir a várias pessoas em um mesmo dia e por isso deve estar cansada e dispersa, você tem que buscar diferenciais que ajudem a entreter a platéia e chamar sua atenção de forma positiva. Faça piadas inteligentes (mas não em grande quantidade), use analogias divertidas, interaja com as pessoas através de perguntas retóricas, se possível. Além disso, olhe de vez em quando para uma pessoa específica, como se estivesse conversando com ela, e troque de pessoa sempre. Isso dará um toque mais pessoal. Afinal de contas, quando queremos perguntar a verdade sobre algo a uma pessoa, não pedimos que ela nos olhe nos olhos?

Não se perca nos detalhes

Detalhes são para textos escritos. Em uma apresentação oral, concentre-se no que é essencial, ou seja, o contexto do trabalho, os objetivos, o padrão geral dos resultados e principalmente suas conclusões. Sempre reserve tempo para perguntas, nunca consuma todo o tempo disponível apenas com a exposição. Afinal de contas, não tem sentido desperdiçar a oportunidade de interagir em tempo real com a platéia.

Use pouco texto!

Slides, transparências ou lousas não devem conter textos grandes demais, porque o foco principal da platéia deve ser no que estamos falando. Escrevendo demais, você cria uma confusão extremamente ruim entre ler e ouvir. Você precisa usar apenas tópicos ou palavras-chave.

Somos animais visuais

Você deve considerar que somos animais visuais. Portanto, tudo quanto possível deve ser explicado com imagens, não palavras. Você precisa usar diagramas, fotos, desenhos, vídeos, animações e afins. Fora isso, o material didático deve ser atraente, caprichado e objetivo, de modo a prender a atenção da platéia Você tem que evitar qualquer material mal preparado ou com estética ruim, como fotos desfocadas e mal enquadradas, desenhos mal feitos e transparências velhas e amareladas.

Slides devem ter bom contraste

Quando você usa slides ou transparências, deve sempre buscar um bom contraste entre o conteúdo e o fundo. Se a apresentação ocorrer em uma sala mais escura, o fundo deve ser mais claro, e vice-versa, mas sem um contraste forte demais entre a luminosidade da sala e do slide, o que cansa a vista. É fundamental examinar antes o local onde falará, a fim de saber de antemão o que é necessário para aumentar a chance de uma comunicação bem-sucedida.

Evite fontes rebuscadas

Nos textos, você deve sempre evitar fontes “serifadas”, ou seja, aquelas letras cheias de perninhas e enfeites, como Brush Script. Deve usar fontes simples, como Arial. Fontes serifadas (sem excessos) são melhores para a comunicação escrita em textos longos, como artigos, pois relaxam a vista nesses casos.

Escolha o equipamento de acordo com a situação

Antes de dar uma palestra ou aula, procure saber o tipo de equipamento disponível: datashow, retroprojetor, projetor de slides analógico, DVD, internet etc. Escolha o que lhe parecer mais adequado e certifique-se da disponibilidade no dia. Se for usar um computador com datashow, saiba que versão do Powerpoint, Keynote ou Impress estará disponível.

O seguro morreu de velho

Como sempre pode ocorrer incompatibilidade entre programas de slides (e.g. Powerpoint x Keynote), ou mesmo entre versões de um mesmo programa (e.g. Powerpoint 2003 x 2007), é melhor se prevenir. Em congressos, onde você nunca sabe de antemão as condições exatas de apresentação, prefira fazer uma apresentação sem vídeos, sons, transições de slides ou efeitos especiais. E salve o arquivo como PDF, pois quase todo computador tem o Adobe Acrobat Reader, que permite exibição em tela cheia e passa slides da mesma forma que os programas de apresentações. Além disso, PDFs quase não sofrem com problemas de compatibilidade, permitindo visualizar seu arquivo até mesmo em computadores diferentes com sistemas operacionais diferentes (e.g. Windows, MacOS ou Linux). Há várias formas de salvar um arquivo PPT ou KEY como PDF, seja com as opções default do sistema, ou através de add-ons e programas gratuitos.

Atenção ao enquadramento

Uma coisa que quase todos se esquecem de considerar, mas que leva muitos ao desastre, é o enquadramento dos slides. É muito comum ocorrerem problemas de enquadramento, devido à diferenças de resolução entre o computador e o datashow, ou mesmo devido a forças malignas incontroláveis. Sendo assim, nunca use o espaço todo do slide. Deixe sempre margens vazias em todos os lados, sem conteúdo, apenas com o fundo geral. Isso evitará sérias dores de cabeça, como eixos de gráficos cortados. Se for usar os velhos projetores de slides analógicos, certifique-se três vezes de que colocou seus slides da maneira correta, para que eles não apareçam invertidos de alguma forma ou engasguem o projetor.

Como saber se você obteve sucesso?

A comunicação pode ser considerada bem-sucedida, quando a maioria do público entende a mensagem que você quis passar, mas é claro que é difícil avaliar isso sem ler a mente das pessoas. Você pode estimar seu sucesso de maneiras indiretas, como quando sua palestra provoca reações positivas no público (e.g. aplausos entusiasmados). Se as pessoas fizerem perguntas, isso é um bom sinal. Se as perguntas não forem sobre a sua mensagem em si, mas avançarem dentro do assunto discutido, isso é um ótimo sinal, pois as pessoas te entenderam e se interessaram pelo assunto. Se, além disso, algumas pessoas te procurarem no intervalo ou te escreverem depois com mais perguntas aprofundadas, então seu sucesso foi realmente grande.

Exemplos

Para ver excelentes exemplos de palestras, assista as TED Talks disponíveis gratuitamente na Internet. Assista também algumas palestras do Steve Jobs, ex-CEO da Apple.

Leituras importantes

Agradeço a diversos colegas que contribuíram com sugestões para este guia.

Exemplo de um bom slide:

Este slide foi usado em uma palestra dada por mim na Annual Meeting of the Association for Tropical Biology and Conservation 2008, que recebeu o Luis F. Bacardi Award.

* Publicado originalmente em 2007.

 

Cuidado com o DAA!

Fonte: http://marcoarmello.wordpress.com/2012/03/13/como-dar-uma-palestra/#more-23 apud  http://brifando.com

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s