Qual é a vantagem evolutiva da morte?


Todos nós estamos ficando mais velhos. A média de vida do ser humano dobrou nos últimos cem anos: quem tem 60 anos parece e se sente como se tivesse 40 e os cinquentões são os novos jovenzinhos de 20. Porém, rótulos de idade à parte, ainda estamos envelhecendo da mesma maneira que sempre o fizemos, e com isso o nosso risco de morrer aumenta dramaticamente.

Uma vez que você se aproxima de seus 30 anos, as suas (inicialmente pequenas) chances de falecer vão dobrando a cada década que se segue. No gráfico a seguir, você percebe que as probabilidades de você morrer logo no início da vida são relativamente grandes. Depois, essa chance cai drasticamente até o meio da infância e vai subindo. Atenção você que tem 19, 20 anos: suas chances de passar dessa para melhor são maiores agora do que as do seu primo de 28 anos.

What is the evolutionary advantage of death?

O que intriga os biólogos evolucionistas, no entanto, é como e por que os seres humanos apresentam uma curva de mortalidade tão característica. Com o tempo, a seleção natural deve melhorar a capacidade de uma espécie de sobreviver e se reproduzir. Então, por que morrer de velhice? Alguma mutação qualquer que aumenta o risco de morte dos indivíduos deveria ter sido erradicada em algum momento ao longo do caminho evolutivo, certo?

Até o século 20, muitos biólogos pensavam que a seleção natural favorecesse a velhice, pois abria espaço para gerações futuras. Se muitos indivíduos permanecessem vivos, o grupo como um todo sofreria. Mas há um problema com essa lógica: quanto mais um animal vive, mais descendentes ele geralmente deixa. A morte pode criar mais espaço, mas isso não vai ajudar uma espécie a sobreviver.

Na década de 1940, os biólogos J.B.S. Haldane e Peter Medawar sugeriram uma explicação alternativa. Na maioria das espécies, os indivíduos costumam ser mortos antes de chegarem à velhice. A dupla argumentou que, como a sobrevivência da espécie repousa sobre indivíduos mais novos, a seleção natural não deve favorecer mutações prejudiciais que afetam os jovens.

Em contraste, apenas alguns indivíduos sobrevivem à idade avançada, por isso a evolução não foi tão eficiente assim eliminando as mutações que são prejudiciais para os idosos. Em outras palavras, as pessoas idosas estão em uma “sombra da evolução”: as mutações que conduzem à velhice – e os seus efeitos negativos – se fazem presente à medida que a espécie evolui ao longo do tempo, sem a intromissão da evolução para que essas mutações desapareçam.

Era uma boa teoria, mas na época não havia nenhuma evidência de que a seleção natural poderia eliminar mutações nocivas aos jovens, mas deixá-las passar em idosos. A descoberta veio em 1966, quando William Hamilton abordou o problema matematicamente. Ao examinar a relação entre evolução e mortalidade, ele mostrou que as mutações nos grupos mais velhos têm menos efeito sobre a sobrevivência, a longo prazo, de uma espécie. Assim como Haldane e Medawar haviam previsto, a “força da seleção natural” diminui com a idade.

What is the evolutionary advantage of death?

O trabalho de Hamilton foi um avanço significativo, mas possuía algumas falhas. Primeiro, Hamilton assumiu que a seleção natural fosse linear, como se duas cópias de uma mutação tivessem o dobro do efeito prejudicial de uma. Ele também fez sua análise presumindo que a população fosse geneticamente igual (o que é impossível), com todos os indivíduos tendo o mesmo número e o mesmo tipo de mutações.

Este ano, pesquisadores das Universidades de Berkeley, na Califórnia, e de Oxford, no Reino Unido, chegaram a uma solução para o problema. O grupo encontrou uma maneira de ver como diferentes tipos de mutações prejudiciais moldam o padrão etário da mortalidade quando a seleção natural não é linear. O trabalho possibilitou tomar pressupostos específicos – como a taxa de mutações ou como essas modificações estão espalhadas por toda a população – e transformá-los em previsões sobre o processo de envelhecimento.

Uma das previsões dos pesquisadores foi particularmente curiosa. No modelo de Hamilton, se as mutações nocivas afetam apenas os idosos, a seleção natural produz uma relação de inclinação ascendente entre idade e mortalidade. Entretanto, no novo e mais complexo modelo, essa relação é significativamente alterada: em uma população geneticamente diversa, as mutações prejudiciais se espalham, fazendo com que o risco de morte suba para todos os adultos.

A ordem é restaurada se as mutações que prejudicam os grupos mais velhos também são levemente prejudiciais para os indivíduos mais jovens. Neste caso, a seleção natural impede que muitas mutações problemáticas se acumulem ao longo do tempo.

Porém, há ainda questões pendentes sobre o processo de envelhecimento. Por exemplo, a nova pesquisa não pode explicar por que algumas espécies sobrevivem tanto tempo depois que param de se reproduzir. A estrutura social pode desempenhar um papel decisivo, com os grupos mais velhos alimentando os mais jovens, mas não pode influenciar a força da seleção natural: as mutações presentes em um indivíduo não aparecem de repente em seus amigos e familiares.

Ainda assim, a capacidade de examinar as teorias sobre a mortalidade desta forma é uma nova ferramenta útil para os biólogos evolucionários. As abordagens matemáticas estão fornecendo uma nova visão sobre outras áreas da evolução também. Da explicação de por que nós cooperamos com nossos semelhantes até a revelação de como os vírus evoluem e se espalham, a mais fundamental das ciências agora está ajudando a responder a algumas das questões mais fundamentais sobre a vida – e a morte.

Fontes:

http://hypescience.com/qual-e-a-vantagem-evolutiva-da-morte/

http://io9.com/what-is-the-evolutionary-advantage-of-death-743044300

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s