Como a humanidade transformou um grande predador em uma criatura dócil em poucos milhares de anos


English setter

31.000 anos atrás, enormes geleiras ainda governavam as terras do hemisfério norte. Era a Idade da Pedra. Pessoas vagavam pela Europa já fazendo das suas, como desenvolver a fabricação de armas, pinturas, etc.

Em Goyet Cave, na Bélgica, algumas lembranças dessa época ainda podem ser vistas. Ossos, pilhas de lixo e outros sinais de vida acumulados no fundo da caverna duram até hoje. Há alguns anos, pesquisadores descobriram algo interessante entre esses diversos ossos: o crânio de um cão doméstico, o nosso melhor amigo (Canis familiaris).

Apesar da semelhança com outros crânios de cães, o crânio de Goyet se assemelha também ao de um jovem lobo. Ele tem um focinho mais curto, proporcionalmente mais maxilar inferior e cérebro um pouco menor que o de um lobo adulto. No entanto, a caixa craniana completamente ossificada mostrou que de fato este animal não era um filhote de lobo. Era um cão adulto.

Não se sabe o quão próxima era a relação entre o cão Goyet e as pessoas que viviam ali. Era um companheiro de caça respeitado que dormia nas peles junto com seus mestres? Ou era um animal meio feral, oportunista, que roubava restos de comida, rondando as imediações do acampamento, apenas tolerado pelos humanos porque acordava as pessoas com seus latidos caso os leões das cavernas atacassem durante a noite?

De onde o cão veio originalmente, como e quando foi domesticado ainda são objetos de muita discussão. Praticamente a única coisa que todos concordam é que os cães são descendentes dos lobos (Canis lupus).

O “onde” tem sido sugerido como o Oriente Médio ou a Ásia Oriental. O “quando” varia ainda mais: de 16.000 a mais de 100.000 anos atrás. Algumas provas de DNA sugerem que lobos podem ter sido domesticados várias vezes em diferentes áreas e épocas, para formar a diversidade de cães domésticos. Alguns casos de domesticação podem não ter deixado quaisquer descendentes vivos.

Cães modernos são mais amigáveis​​, mais curiosos e talvez um pouco menos brilhantes do que seus primos selvagens. Acima de tudo, em pouco tempo evoluíram uma espantosa diversidade de formas e cores. Como tudo isso aconteceu? Talvez surpreendentemente, algumas respostas não podem ser encontradas nos nossos amigos caninos em si, mas sim nas raposas.

Raposas mansas do Sr. Belyaev

Durante a década de 1950, um geneticista russo chamado Dmitry Belyaev começou um experimento histórico. Ele comprou 130 raposas de prata (Vulpes vulpes) a partir fazendas de peles da Sibéria e começou a criá-las. Para cada conjunto nascido na instalação, os pesquisadores realizaram um teste simples. Um humano se aproximava da gaiola, abria e tocava a raposa dentro, enquanto um assistente anotava como ela reagia. Somente os conjuntos mais amigáveis, aqueles que mostraram menos sinais de agressão ou medo, foram então usados ​​para produzir a próxima geração.

Inicialmente, o objetivo do experimento era simplesmente fazer com que a criação de raposas fosse mais viável para as fazendas de peles. No entanto, os resultados foram tão surpreendentes que todo o projeto tomou um novo rumo. Em apenas quatro gerações, o primeiro grupo de “raposas de elite” nasceu. Estes eram animais totalmente domesticados que não demonstravam agressão ou medo dos seres humanos e que competiam por atenção.

800px-Silberfuchs_08

Mais janelas

Parece que a mansidão dos grupos de raposas de Belyaev foi causada por uma duração mais longa da janela de socialização e o início tardio do medo que é normal para raposas adultas.

Janela de socialização é o momento em que um jovem canídeo torna-se sensível aos membros de sua própria espécie, um processo parecido com o que ocorre em filhotes de aves. Se houver membros de outras espécies presentes neste período sensível, eles serão incluídos também.

Em raposas de Belyaev, esta janela socialização alongada é o mesmo que parece ter acontecido com os cães domésticos. Quando um filhote de lobo tem 2 a 3 semanas de idade, a janela de socialização já está fechando. Em cães, no entanto, ela se abre com a idade de três semanas e permanece assim até 12 ou 16 semanas. Este pode ser o componente mais importante da domesticação, uma vez que dá mais tempo para o cachorro conhecer o ser humano, além de sua mãe e irmãos.

Jovens cães, lobos e raposas normalmente não têm medo de coisas novas ou criaturas diferentes; em vez disso, agem destemidamente explorando seus arredores. Com a idade, eles se tornam menos curiosos e mais cuidadosos. Neste aspecto, também, as raposas domesticadas e cães domésticos se assemelham mais do que seus primos selvagens.

A fase de filhote curioso explorador dos lobos e das raposas pára em torno da idade de seis semanas. Raposas domesticadas e cães, no entanto, começam a amadurecer neste sentido apenas na idade de 4 a 6 meses, e nunca se tornam tão cuidadosos como os animais selvagens.

domesticated and wild silver fox skulls vulpes vulpes maija karala

Olhar único e orelhas caídas

Mas o Sr. Belyaev e seus colegas tiveram outra surpresa. Suas novas raposas domésticas também começaram a mudar de aparência.

Em torno da décima geração do experimento, algumas raposas começaram a mostrar traços estranhamente caninos, como pernas e focinhos mais curtos, manchas brancas e castanho-claras sobre a sua pele, etc. Algumas raposas ainda tinham orelhas de abano ou uma cauda curvada sobre as costas. Estas características são comuns em cães, mas praticamente desconhecidas em raposas.

Será que a cor e forma do corpo são de alguma forma geneticamente correlacionadas com mansidão? Os pesquisadores meticulosamente excluíram todas as outras explicações. Eles tiveram o cuidado de não favorecer os animais com base em sua aparência.

Os cientistas russos sugerem que a domesticação traz uma série de mudanças na aparência, independentemente se são favorecidas ou não – apesar de serem, muitas vezes, já que os seres humanos tendem a favorecer animais que parecem diferentes. Essas mudanças são comuns a muitos animais domesticados, de cavalos a galinhas, e já foram notadas por Charles Darwin em A Origem das Espécies, obra publicada em 1859. Darwin, no entanto, não tinha ideia do que causava o fenômeno. Os cientistas estão começando agora a descobrir as respostas.

Muito parecido com simpatia, curiosidade e destemor, pernas e focinhos curtos também são características de animais jovens. Muito jovens filhotes e proles têm orelhas de abano, e em indivíduos de orelhas flexíveis, essas características podem permanecer, como se o animal nunca tivesse crescido.

Pode ser de que não haja genes distintos para a “mansidão”. Em vez disso, a domesticação afeta os genes que regulam a maturação e, portanto, afeta tudo, desde as proporções do corpo como os ciclos hormonais. Esta retenção de traços juvenis para adultos é chamado neotenia. Neotenia (ou, um pouco mais amplamente, pedomorfose) ocorre em muitos grupos de animais, mas o cão doméstico é um exemplo clássico. As mais radicais raças de cães pequenos realmente se assemelham a lobos fetais. Comparar os níveis de neotenia pode nos dar um novo entendimento sobre os problemas de saúde ou diferenças de comportamento entre as raças de cães.

koirakallot pysty

Branco é infantil

Mesmo as manchas brancas nas raposas do Sr. Belyaev e muitas raças de cães podem ser causadas por neotenia. Durante o desenvolvimento fetal, as células produtoras de pigmentos de cor do pelo surgem a partir da crista neural, a mesma bolha alongada de células que se desenvolve mais tarde em maior parte do sistema nervoso. As células de pigmentos supostamente passam a migrar a partir da crista neural para o pelo, onde se fixam aos folículos pilosos e iniciam a produção de pigmentos. Manchas brancas podem se formar se a crista neural se desenvolve muito lentamente e não há tempo suficiente para que as células de pigmentos possam completar sua migração.

A pequena experiência prática de Belyaev se transformou em um grande projeto que ainda funciona hoje. Às vezes, tem sido impopular aos olhos dos líderes russos e ainda sofre de um financiamento insuficiente.

Como a instalação não pode manter todas as raposas, teve de vendê-las para as fazendas de peles, uma experiência traumatizante, tanto para os animais quanto para os funcionários. Recentemente, no entanto, os cientistas russos finalmente obtiveram uma licença para vender suas raposas mansas no exterior, como animais de estimação.

Fonte: http://hypescience.com/como-a-humanidade-transformou-um-grande-predador-em-uma-criatura-docil-em-poucos-milhares-de-anos/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s