Nossa memória não é uma filmadora: ela edita o passado com informações do presente


De acordo com um novo estudo da Universidade Northwestern (EUA), em termos de precisão, sua memória está mais para editor do que para câmera de vídeo. Isso porque ela reescreve o passado com informação moderna, atualizando suas lembranças com novas experiências.

O amor à primeira vista, por exemplo, é mais propenso a ser um truque de sua memória do que um momento digno de Hollywood. “Quando você volta à ocasião quando conheceu seu parceiro atual, você pode recordar um sentimento de amor e de euforia”, explica Donna Jo Bridge, pós-doutoranda em ciências sociais da Universidade e uma das pesquisadoras do estudo. “Mas você pode estar projetando seus sentimentos atuais neste encontro original com a pessoa”.

 

Este é o primeiro estudo a mostrar especificamente como a memória pode inserir coisas do presente no passado, quando lembranças antigas são recuperadas. E por que ela faz isso? “Para nos ajudar a sobreviver”, explica Bridge. “Nossas memórias se adaptam a um ambiente em constante mudança e nos ajudam a lidar com o que é importante agora. Nossa memória não é como uma câmera de vídeo. Ela reformula e edita eventos para criar uma história que caiba no seu mundo atual. Ela foi construída para ser contemporânea”.

A noção de uma memória perfeita é um mito, disse Joel Voss, autor sênior do estudo. “Todo mundo gosta de pensar na memória como essa coisa que nos permite lembrar vividamente nossa infância ou o que fizemos na semana passada. Mas a memória é projetada para nos ajudar a tomar boas decisões no momento. A informação que é relevante agora pode substituir o que já estava lá antes”, afirma.

O estudo

Os pesquisadores descobriram que essa “edição” acontece no hipocampo. No experimento, 17 homens e mulheres estudaram 168 objetos em uma tela de computador em locais variados, como uma cena do oceano debaixo d’água ou uma vista aérea do Centro-Oeste americano.
Em seguida, os cientistas pediram que eles tentassem colocar o objeto no seu local original, mas em uma nova tela de fundo. Os participantes sempre colocavam os objetos em um local incorreto.

Para a parte final do estudo, os voluntários viram de novo o mesmo objeto em três locais na tela: no local em que inicialmente tinham visto o objeto, no local em que o colocaram na parte 2 do estudo ou em um novo local. Eles precisavam escolher o local correto.

“As pessoas sempre escolhiam o local que tinham posto o objeto na parte 2″, esclarece Bridge. “Isso mostra que a sua memória original do local foi alterada para refletir o local que lembravam sobre a nova tela de fundo. Sua memória atualiza as informações, inserindo os novos dados na lembrança antiga”.

Os cientistas também acompanharam os movimentos dos olhos dos participantes que, por vezes, eram mais reveladores sobre o conteúdo de suas memórias, além de realizar o teste em um scanner de ressonância magnética para que pudessem observar a atividade cerebral das pessoas.

Bridge analisa as implicações do estudo sobre depoimentos de testemunhas oculares em tribunais. “Nossa memória é construída para mudar, não regurgitar fatos, por isso testemunhas não são muito confiáveis”, diz.

A ressalva da pesquisa é que ela foi feita em um ambiente experimental controlado. “Embora esse resultado tenha sido visto em um ambiente de laboratório, é razoável pensar que a memória se comporta desta maneira no mundo real”, fala.

Fonte: http://hypescience.com/nossa-memoria-edita-o-passado-com-informacoes-do-presente/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s