Vermelho


Em vermelho morno

Mergulhadas estão estruturas de vida,

Se minhas ou de outros,

No transporte passam e passam

E quase nada fica

 

O que se vai?

Algo se fixa?

 

Na passagem o movimento se fabrica

Leva o que sobra, o que intoxica

Traz o que importa, mas também o que não necessita

 

Experiência que se torna e que mobiliza

Possibilita construção e manutenção

De estradas e edificações

De estados e emoções

 

Em duração mais prolongada

Se impulsiona em repetições

Caminhos interligados

Múltiplas interseções

 

Fluxo que se esvai em pequena parte, em um corte, ou em maior patamar, na morte

Em que o morno se resfria e o vermelho se desfaz…

Christiane Donato

Início de 2014

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s