13 cientistas brasileiros que merecem nosso respeito


Todos os dias lemos notícias sobre pesquisadores internacionais que fizeram descobertas ou avanços em diferentes aéreas da ciência. Mas e aqui no Brasil? Não se avança em nada?

Muito pelo contrário. Nesses 500 anos de história, muitos nomes regionais se destacaram exponencialmente em todo o mundo por contribuições das mais diversas. Confira apenas alguns cientistas brasileiros que merecem nossa admiração:

13. Suzana Herculano-Houzel (1972-), neurocientista e primeira brasileira a dar uma palestra na Conferência TEDGlobal

Suzana Herculano-Houzel é uma neurocientista carioca que dirige o Laboratório de Neuroanatomia Comparada na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

A Dra. Suzana estuda o cérebro humano, e sua pesquisa é tão importante que já foi assunto da Conferência TEDGlobal. Ela foi a primeira cientista brasileira a dar uma palestra nesse evento mundialmente reconhecido.

Sua grande contribuição para a ciência foi a criação de uma forma decomparar o número de neurônios em cérebros de diferentes animais, usando o que ela chama de “sopa cerebral”. Seu método de dissolução das membranas celulares para fazer uma sopa, usando simples detergente, destrói as membranas das células, mas deixa os núcleos intactos. Isso permite que pesquisadores contem facilmente as células cerebrais através de um microscópio. Usando esse método, ela conseguiu, pela primeira vez na história, contar com precisão o número de neurônios do cérebro humano: 86 bilhões.

Outra grande descoberta da qual Suzana teve participação foi uma pesquisa que concluiu que assar a comida foi o fator que levou oshumanos a terem cérebros maiores. Isso nos diferenciou enormemente dos outros animais, e levou a nossa dominação do planeta.

12. Marcelo Gleiser (1959-), astrônomo e físico que defende a imperfeição do universo


Marcelo Gleiser é um físico, astrônomo, professor e escritor brasileiro, conhecido inclusive nos Estados Unidos por seus lecionamentos e pesquisas científicas. Escreveu sete livros e publicou três coletâneas de artigos e, em 2007, foi eleito membro da Academia Brasileira de Filosofia.

Um tema recorrente em seus trabalhos é o debate entre as visões de mundo religiosas e científicas. Um de seus livros, “Criação Imperfeita”, argumenta que a crença de pesquisadores de que exista algum sentido oculto no universo é uma contaminação da religião sobre a ciência, um ato de fé incompatível com a racionalidade. Segundo ele, temos que derrubar o mito de que o mundo é perfeito, já que a natureza tem nos mostrado justamente o contrário: que suas leis são complexas, seus elementos irregulares e assimétricos, e que a vida na forma como conhecemos só surgiu devido a uma série de acontecimentos cósmicos improváveis que culminaram em um planeta habitável.

11. Milton Santos (1926–2001), geógrafo que ganhou o mais importante prêmio da área


Milton Santos teve uma carreira extensa, que começou na Faculdade Católica de Filosofia na Bahia. Tendo feito doutorado na França e viajado pela Europa e pela África, publicou em 1960 um dos seus artigos mais famosos, o estudo “Mariana em Preto e Branco”.

No final dos anos 1950, Milton participou de um concurso (que acabou não se realizando) para livre-docente na Universidade Federal da Bahia. Após ter recorrido à Justiça, conseguiu prestar o exame, defendendo brilhantemente a tese “Os Estudos Regionais e o Futuro da Geografia”.

Milton Santos foi um dos fundadores do Laboratório de Geomorfologia e Estudos Regionais da Universidade da Bahia, um ícone dos estudos da área. Pouco tempo depois, no entanto, com o golpe militar de 1964, Milton foi preso e exilado. Convidado a lecionar na Universidade de Toulouse (França), ficou ali três anos.

Na década de 1970, o cientista estudou e trabalhou em universidades no Peru, na Venezuela e nos EUA. Entre 1975 e 1976, chegou a ser pesquisador no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Em 1977, retornou para o Brasil, trazendo já completa a obra “Por uma Geografia Nova”. Em 1984, conseguiu o posto de professor titular na Universidade de São Paulo (USP).

No período final de sua vida, em 1994, recebeu o Prêmio Vautrim Lud, considerado “o Nobel da Geografia”. Foi agraciado com inúmeras honrarias, títulos e medalhas e morreu aos 75 anos, legando obras e atividades que foram um marco nos estudos geográficos no Brasil.

10. Euryclides Zerbini (1912-1993), cirurgião que realizou o primeiro transplante de coração da América Latina


Formado em medicina pela Universidade de São Paulo, Euryclides Zerbiniespecializou-se em cirurgia geral, e mais tarde estudou cirurgia torácica, cardíaca e pulmonar nos EUA.

Em 1957, iniciou experiências para abertura do coração em animais, utilizando circulação extracorpórea. Na Universidade de Minneapolis, nos Estados Unidos, foi colega do Dr. Christian Barnard, o primeiro cirurgião a realizar um transplante cardíaco.

Em 26 de maio de 1968, ele realizou no Hospital das Clínicas, em São Paulo, o primeiro transplante de coração da América Latina. O êxito do cirurgião trouxe para o Brasil a admiração e o respeito das outras nações, tornando o país um dos mais avançados centros de cirurgia cardiológica do mundo.

Professor da USP, criou o Centro de Ensino de Cirurgia Cardíaca, que se transformaria no Instituto do Coração (Incor) em 1975. Durante seus 58 anos de carreira, recebeu 125 títulos honoríficos e inúmeras homenagens de governos de todo o mundo, além de ter realizado mais de 40 mil cirurgias cardíacas, pessoalmente ou por meio de sua equipe.

9. Carlos Paz de Araújo (1954-), dono de 600 patentes que lhe renderam US$ 150 milhões

Aos 17 anos, quando desembarcou nos EUA para fazer um intercâmbio,Carlos Paz de Araújo nunca mais voltou. O cientista nascido em Natal graduou-se em engenharia elétrica na Universidade Notre Dame e, apesar da discriminação em relação aos latinos dos professores, teve desempenho escolar tão bom que conquistou uma bolsa da Força Aérea Americana para fazer mestrado e doutorado.

Hoje, cerca de 35 anos depois, o brasileiro naturalizado americano coleciona um portfólio de quase 600 patentes registradas em seu nome. A maior parte delas está associada à nanotecnologia, em especial um chip de memória ferroelétrica, cujo custo é inferior aos modelos tradicionais e a capacidade, maior. Ao todo, estima-se que ele tenha acumulado mais de US$ 150 milhões em licenças e royalties pelo mundo afora.

Em 2006, Araújo foi o primeiro brasileiro a ganhar o prêmio máximo de inovação tecnológica, concedido pelo Institute of Electrical and Electronic Engineers, mais conhecido como prêmio Daniel Noble Award. Entre diversas outras empresas que usam sua tecnologia, a Panasonic, a gigante japonesa dos eletrônicos, adquiriu 9% do capital de sua empresa, a Symetrix.

Apesar do enorme sucesso de Araújo, ele é desconhecido no próprio país. Enquanto o Japão usa a tecnologia inventada por ele em seu sistema de transporte público, a China a usa em carteiras de identidade, e algumas das principais fabricantes de computadores (como Sony e Acer) a usem em modelos de leitores de cartões, o chip de memória do brasileiro não é usado no Brasil e nos EUA, por causa de interesses econômicos.

8. Bartolomeu de Gusmão (1685-1724), padre que construiu o primeiro balão do mundo


Bartolomeu Lourenço de Gusmão foi um sacerdote e inventor brasileiro. A mais famosa de suas experiências foi o primeiro balão construído no mundo. Ele apresentou sua obra no Palácio Real para o então Rei de Portugal, D. João V, em 1709.

Por falta de documentos históricos, é difícil saber como a invenção realmente ocorreu, mas crê-se que o padre, ao examinar o comportamento de uma chama, percebeu que o ar quente podia elevar pequenos objetos. Foi isso que o inspirou a projetar o primeiro aeróstato, um aparelho parecido com nosso balão de São João.

Nascido em Santos, o “padre voador” teve uma carreia conturbada. Foi perseguido pela Inquisição por ser amigo de judeus e teve que fugir para a Holanda, onde fez experiências com lentes. Mais tarde, seguiu para a França, onde vendia remédios fabricados por ele nas ruas. Formado em Direito, teve atuação nos tribunais, foi membro da Academia Real de História, cumpriu missões diplomáticas com o apoio do rei D. João V e até foi nomeado Secretário dos Estrangeiros.

Por conta de suas invenções, Bartolomeu sofria bullying dos fidalgos e inquisidores, que o viam como um “bruxo”. Morreu na Espanha, acometido por uma febre, em novembro de 1724.

7. Adolpho Lutz (1855-1940), médico e sanitarista que combateu doenças graves e descobriu que o leite precisava ser pasteurizado

Nascido no Rio de Janeiro, Adolpho Lutz foi levado aos dois anos de idade para a Suíça, terra de origem de seus pais. Formou-se em medicina pela Universidade de Berna, porém voltou ao Brasil aos 26 anos por escolha própria, para ajudar no seu país natal. Segundo ele, as condições de higiene da época agravavam o quadro da saúde pública brasileira.

Lutz atendia à população carente e viajava frequentemente à Europa para acompanhar as novidades dos centros científicos, trazendo-as para o Brasil Imperial. Ele combateu várias doenças importantes por aqui: febre amarela, varíola, peste bubônica, febre tifoide, cólera, malária e tuberculose.

Uma vitória importante em sua carreira foi identificar o mosquito Aedes aegypti como o transmissor do vírus causador da febre amarela. Ele mesmo e outros médicos foram cobaias para a experiência que comprovou o mecanismo de transmissão da moléstia.

Depois de anos lutando pelo Brasil, uma polêmica na cidade de São Paulo foi a gota d’água para que Lutz se retirasse da vida pública nessa cidade. Ele afirmava que a tuberculose bovina podia ser transmitida ao homem por meio do consumo do leite de vaca, mas acabou sendo ridicularizado por médicos que apoiavam os interesses comerciais dos pecuaristas. Lutz tinha razão, tanto que hoje a pasteurização do leite para consumo humano é absoluta rotina.

6. José Leite Lopes (1918-2006), único físico brasileiro detentor do Unesco Science Prize


José Leite Lopes foi fundamental para criação e consolidação da física teórica no Brasil. Participou de articulações para criar o Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF) e outras instituições importantes, como a Comissão Nacional de Energia Nuclear e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Em 1940, iniciou sua formação em Física na Faculdade Nacional de Filosofia, no Rio de Janeiro. Passou também pelo Instituto de Biofísica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pela Universidade de São Paulo (USP), onde aprofundou suas pesquisas. Em 1944, graças a uma bolsa do governo americano, Leite Lopes fez doutorado na Universidade de Princeton (EUA), onde iniciou seu trabalho de tese sob orientação de Wolfgang Pauli, prêmio Nobel de Física em 1945 e um dos fundadores da Mecânica Quântica. Na universidade, assistiu cursos ministrados por Einstein, Pauli e Reichenbach, entre outros.

Como pesquisador, destacou-se na área de física de partículas e trabalhou no problema da integração de forças fundamentais da natureza. Por muito pouco não chegou à teoria unificada das interações eletromagnéticas e fracas, que deu o prêmio Nobel a Steven Weinberg. Seu principal trabalho na área foi a previsão teórica de um novo tipo de partícula fundamental, o bóson vetorial.

Leite Lopes foi membro de diversas academias de ciências e recebeu vários convites para trabalhar no exterior. Aceitou, em 1970, o convite da Universidade de Strasbourg, onde ficou até 1985 quando foi convidado a dirigir a instituição que havia sido fundada por ele em 1949, o Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Além de trabalhos originais de pesquisa científica e de filosofia da física, publicou vários livros adotados internacionalmente.

5. Herch Moysés Nussenzveig (1933-), físico autor de livros didáticos muito conhecidos


Bacharel e doutor em Física pela Universidade de São Paulo, Herchestudou na França, foi pesquisador do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas e da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, professor do Instituto de Física da Universidade de São Paulo e da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e atualmente é professor emérito da Universidade Federal do Rio de Janeiro e membro da Academia Brasileira de Ciências.

Já ganhou diversos prêmios e homenagens, incluindo o Prêmio Max Born, outorgado pela Optical Society a cientistas que tenham dado contribuições significativas no campo da óptica em 1986, e uma condecoração da Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico em 1995.

Fez pesquisas em diferentes campos, incluindo teoria da difração, casualidade e relações de dispersão; propriedades analíticas de amplitudes de espalhamento; atraso temporal; teoria do laser e teoria do arco-íris e da auréola. É autor de vários livros didáticos, entre eles a coleção Curso de Física Básica, que recebeu o Prêmio Jabuti em 1999 na categoria Ciências Exatas, Tecnologia e Informática.

4. Duília de Mello (1963-), astrônoma brasileira que cuida de projetos na NASA


Duília de Mello é formada em Astronomia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atualmente, é professora e coordenadora do programa Ciência sem Fronteiras na Universidade Católica de Washington, nos EUA, além de trabalhar em alguns projetos da NASA, a agência espacial norte-americana.

Duília descobriu e escreveu sobre a supernova 1997D em janeiro de 1997, no Chile. Hoje, ela é uma estrela muito citada por ser a supernova mais fraca já vista até hoje, sendo que a astrônoma a viu praticamente a olho nu. Em conjunto com Claudia Oliveira, em 2008, ela também descobriu as bolhas azuis, estrelas que nascem do lado de fora das galáxias em processo de colisão.

3. César Lattes (1924-2005), físico mundialmente famoso que confirmou a existência do méson pi

Um dos mais famosos cientistas brasileiros de todos os tempos, Cesare Mansueto Giulio Lattes revolucionou o estudo da física no país. Entre suas conquistas mais famosas, confirmou a existência da partícula conhecida como méson pi, responsável pelo comportamento das forças nucleares.

Com formação na USP, Lattes também trabalhou no Laboratório H. H. Wills, na Universidade de Bristol, onde fez a descoberta do méson. Em seguida, ficou conhecido internacionalmente e foi trabalhar em Berkeley, na Califórnia. Lá, identificou as trajetórias dos píons produzidos no acelerador de partículas da Universidade.

Outra grande contribuição de Lattes foi a idealização de um laboratório de Física Cósmica em La Paz, Bolívia, que se transformou em um centro científico internacional, abrigando pesquisadores de quase todos os continentes.

Lattes foi membro da Academia Brasileira de Ciências, da União Internacional de Física Pura e Aplicada, do Conselho Latino-Americano de Raios Cósmicos, das Sociedades Brasileira, Americana, Alemã, Italiana e Japonesa de Física, entre outras instituições. Também recebeu muitas homenagens e prêmios no Brasil e no exterior, incluindo o Prêmio Einstein, o Prêmio Fonseca Costa do CNPq e a Medalha Santos Dumont.

2. Oswaldo Cruz (1872-1917), sanitarista que salvou a vida de milhares de brasileiros

Oswaldo Cruz foi um cientista, médico, bacteriologista, epidemiologista e sanitarista brasileiro, pioneiro no estudo de doenças tropicais e da medicina experimental no Brasil.

Tendo estudado na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro e em Paris, combateu em 1899 o surto de peste bubônica que ocorria em Santos e em outras cidades portuárias brasileiras e, em 1900, fundou o Instituto Soroterápico Nacional, no Rio de Janeiro, que depois passou a se chamar Instituto Oswaldo Cruz. A instituição possui grande respeito internacional.

Cruz coordenou campanhas para erradicação da febre amarela, varíola e eliminação dos focos de insetos transmissores de doenças tropicais no Brasil. Com o objetivo de erradicar as moléstias contagiosas, gerou uma campanha de vacinação forçada, que acabou sendo conhecida como a Revolta da Vacina. O ato salvou a vida de muitas pessoas.

No ano de 1916, colaborou para a fundação da Academia Brasileira de Ciências e se tornou prefeito de Petrópolis, RJ. Faleceu no ano seguinte, devido a problemas de saúde.

1. Carlos Chagas (1879-1934), médico brasileiro descobridor da doença de Chagas

Carlos Chagas ingressou na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1896, doutorando-se em 1903. No ano anterior, havia entrado como voluntário para o Instituto Soroterápico, atual Instituto Oswaldo Cruz.

Em 1905, colaborou nos esforços para a erradicação da malária na cidade de Itatinga, no estado de São Paulo. Ficou conhecido nos meios científicos ao defender o combate da malária através do uso de inseticida, formulando a teoria da transmissão domiciliar da doença.

Chagas dedicou-se também à pesquisa de outras doenças endêmicas. Por exemplo, descreveu o tripanossoma – o protozoário causador da doença de Chagas – dando-lhe o nome de Tripanossoma cruzi, em homenagem ao mestre Oswaldo Cruz. A descoberta da nova condição e dos meios profiláticos para combatê-la começaram a se disseminar em escala internacional, de forma que a Sociedade Brasileira de Patologia batizou a nova doença com o nome de seu descobridor.

Chagas ainda foi convidado pelo presidente da República, Venceslau Brás, a organizar as medidas sanitárias para o combate à gripe espanhola no Rio de Janeiro, num momento em que dois terços da população estavam contaminados. Em 1919, foi criado o Departamento Nacional de Saúde Pública, que passou a ser dirigido por Chagas.

Em 1925, o cientista tornou-se professor da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Nesse mesmo ano, foi fundado o Curso Especial de Higiene e Saúde Pública, instituição pioneira na pesquisa e difusão dos conhecimentos de microbiologia.

Ainda em 1925, Chagas foi agraciado com o prêmio Kümmel, da Universidade de Hamburgo. Em seus últimos anos, recebeu um grande número de honrarias, títulos e condecorações, em homenagem a toda uma vida dedicada à pesquisa e à saúde pública.

Fonte: http://hypescience.com/11-cientistas-brasileiros-que-merecem-nosso-respeito/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s