Arquivo da tag: terras

Nações se unem para formar mapa geológico da Terra


Pesquisadores britânicos recolheram informações de 117 países para unir imagens de alta definição com detalhes geológicos

 

SANTOS – Há cinco anos, pesquisadores britânicos mobilizaram centros de estudos de diversas partes do planeta para formar o OneGeology, um mapa geológico do mundo. Segundo Ian Jackson, coordenador do projeto, foi preciso superar barreiras financeiras, tecnológicas e políticas de cada país para tornar disponível na internet dados padronizados de 138 organizações de 117 nações.

OneGeology: Em destaque, dados geológicos do Brasil - Reprodução
Reprodução
OneGeology: Em destaque, dados geológicos do Brasil

 

A Rússia, por exemplo, tornou públicas suas informações geológicas há apenas um mês e meio. “Alguns países têm restrições em divulgar os dados, mas há exemplos como o Canadá, que tem muitos recursos e quer atrair o maior número de mineradoras para o país. E o melhor jeito de fazer isso é fornecer as melhores informações possíveis”, diz Jackson, que hoje apresenta o OneGeology no encerramento do 46.º Congresso Brasileiro de Geologia, em Santos.

No site do projeto (http://www.onegeology.org/), é possível obter imagens em alta resolução que detalham a geologia de diversas partes do mundo. O objetivo, segundo os idealizadores, é obter informações de todos os cerca de 200 centros de pesquisa geológica do planeta.

Países tradicionalmente mais fechados, como os asiáticos China e Coreia do Norte, ainda mantêm sigilo. Outros, por causa da falta de centros de pesquisa, têm recebido ajuda externa.

“O Suriname, por exemplo, recebeu apoio tecnológico da Holanda para compilar e digitalizar os dados”, explica Jackson. “Os dados serão tão exatos quanto exatas forem as informações oferecidas por cada país. Principalmente na África, ainda há regiões com pouquíssima qualidade.”

Os dados mais detalhados vêm da Grã-Bretanha – escocês, Jackson faz parte do British Geological Survey. “Quando o projeto começou, não havia tecnologia para produzir imagens de alta resolução. Agora, é possível obtê-las mesmo em grandes áreas como a China. Mas depende da disposição de mandar essas informações”, diz ele.

Valorização

No País, os dados são fornecidos pelo Serviço Geológico do Brasil, com proporção de 1 para 1 milhão, considerada de qualidade regular pelos coordenadores do projeto. “Cerca de 3% do PIB brasileiro é destinado à pesquisa mineral. Na Austrália, o porcentual é de 19%”, diz Fábio Machado, presidente do congresso e professor da Unifesp. “Esses dados podem ajudar a evitar deslizamentos de terras como os ocorridos no Rio, por exemplo.”

Ele afirma que os investimentos em pré-sal têm valorizado a profissão no País. “O Brasil possui cerca de 8 mil geólogos e deve precisar de mais 10 mil para suprir a demanda”, diz Machado. “Os salários iniciais hoje podem girar em torno de R$ 8,5 mil.”

Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,nacoes-se-unem-para-formar–mapa-geologico-da-terra-,940377,0.htm

Anúncios

Russia x Estados Unidos: fuso horário de 24 horas


Fuso Horário de 24 horas de diferença entre vizinhos.
Muito interessante.
Eu não sabia dessas ilhas.
As ilhas onde EUA e Rússia se encontram, e o Leste se torna Oeste
As ilhas Diomedes no horizonte
Dois continentes, dois países
Duas culturas, dois regimes
Há um lugar no mundo em que os territórios dos Estados Unidos e da Rússia estão a menos de 4 km de distância, mas qualquer percurso entre eles terá uma diferença de 24 horas…
Localização das ilhas Diomedes, perdidas entre 2 continentes
Estamos falando das desconhecidas e isoladas Ilhas Diomedes, no Estreito de Bering, a inóspita porção marítima que separa o Alasca do extremo leste da Ásia, por onde provavelmente os primeiros habitantes da América atravessaram para estas terras.
Na Pequena Diomedes, seus habitantes espremem-se na íngreme encosta
território norte-americano
As duas Ilhas, conhecidas como Grande Diomedes e Pequena Diomedes são separadas por uma faixa de água de apenas 4 km, que fica congelada durante boa parte do ano, permitindo a passagem a pé entre elas. O curioso é saber que Grande Diomedes é o ponto mais a leste na Rússia, e Pequena Diomedes é o ponto mais a oeste dos Estados Unidos.
Guerra Fria, um período para ser esquecido
Durante o período da Guerra Fria, os nativos que habitavam as ilhas antes da colonização russa ou americana não podiam circular entre as ilhas, nem trocar qualquer tipo de informação, na área que ficou conhecida como “Cortina de Gelo”.
O povoado de Pequena Diomedes, com apenas 170 habitantes
Após o final da 2a Guerra, todos os nativos da ilha russa de Grande Diomedes foram transferidos para o continente, e o arquipélago manteve um pequeno povoado apenas na ilha norte americana de Pequena Diomedes, que até hoje possui cerca de 170 habitantes, num dos locais mais isolados do planeta.
Detalhe de Pequena Diomedes. Não parece nada agradável
O que torna o lugar ainda mais curioso é que exatamente entre as duas ilhas passa a “Linha Internacional de Data”, criando um fuso horário de nada menos que 24 horas numa distância que de tão pequena chega a ser visual.
A Linha Internacional de Data passa exatamente entre as ilhas
Em 1987, um evento emblemático levou as pequenas ilhas às manchetes do mundo inteiro. A nadadora americana Lynne Cox atravessou os pouco mais de 3.700 metros que separam as ilhas irmãs, num gesto de aproximação entre as super potências que se esforçavam para estreitar os laços a tanto tempo separados.
Lynne Cox, um gesto caloroso em águas a 4o C
Hoje, em tempos de paz, há vários projetos para criar monumentos que simbolizariam a paz entre os dois países. Num recente concurso , um projeto chamado de “Ponte da Memória”, ligando as duas ilhas, ficou entre os campeões, no que seria a primeira ligação entre América e Ásia depois de dezenas de milhares de anos.
Projeto para Ponte entre as ilhas, conhecida como “Ponte da Memória”
Detalhe do Projeto. Uma fantástica obra de engenharia para poucos conhecerem
Humberto Eco, em seu romance “A Ilha do dia anterior” explora muito bem as idiossincrasias de viver em Diomede…
Humberto Eco escreveu sobre o tempo
“Meia-noite de sexta-feira, aqui no navio, é meia-noite de quinta-feira na ilha. Se da América para a Ásia viajas, perdes um dia; se, no sentido contrário viajas, ganhas um dia: eis o motivo por que o [navio] Daphne percorreu o caminho da Ásia, e vós, estúpidos, o caminho da América. Tu és agora um dia mais velho do que eu! Não é engraçado?”